cabelos

Ih! Virei um unicórnio

Oi pessoal, tchudo bem com vocês?

Demorei mas cheguei para contar tudo sobre minha entrada no clã dos unicórnios! Segura aí essa marimba, monamour! Se você me segue lá no meu insta @callmedaniela se não segue agora é a hora com certeza já me viu toda smurfette passeando pelo seu feed. Confesso que fiquei com um pouco de dúvida se fazia esse post ou não por não ser uma suuuper novidade, entretanto como uma das coisas mais pedidas por vocês foram postagens com essa caráter mais pessoal lá na pesquisa de público do blog, cá estou eu para contar como foi essa experiência capilar bem radical!

A DECISÃO


  Vamos começar como Jack, por partes. O motivo que me fez decidir descolorir meus lindos fios totalmente virgens e me jogar no mundo das tintas fantasia começou nos anos 90, quando as crianças tonalizavam o cabelo com papel crepom. Não consigo contar quantas vezes tentei fazer isso para mudar a cor do meu cabelo super escuro (sem sucesso, é claro).

  Com a volta recente de todas as tendências possíveis dessa época, as coloridas começaram a se espalhar em perfis do Instagram, canais do Youtube, no metrô... Em todo lugar! Durante um bom tempo criei várias neuras que foram facilmente descartadas quando pensei nas várias coisas que já deixei de fazer por algum motivo ridículo (sim, sou rainha dessa arte). Depois disso, divulguei para todo mundo que iria mudar radicalmente para que elas me cobrassem essa mudança e quando menos esperavam cheguei com um sorriso de ponta a ponta com meus lindos cabelos azuis, me achando o último bis do pacote.


INSPIRAÇÕES


  As inspirações do Pinterest sem dúvidas são maravilhosas, uma mais linda que a outra! Mas isso ainda não foi o suficiente para mim, queria uma referência um pouco mais próxima da minha realidade. Acabei esbarrando no Instagram da Naetê, do blog e canal Love Triangle. Pense numa ariana pra lá de estilosa, lacrado e cheia de atitude? É a própria. Por ter uma raiz escura, assim como eu, provavelmente ela optou pelo ombré-hair  também pela praticidade de não ter que ficar descolorindo (e destruindo) o cabelo com muita frequência. Pronto! Decidi o que iria fazer!
  Sou apaixonada por cabelos em tons de rosa, era a cor que tinha em mente desde o início. Mas lendo bastante sobre os cabelos coloridos, descobri que o azul é a cor que mais desbota, ao contrário do meu querido rosa. Foi por esse motivo que decidi começar por ele, porque depois seria mais fácil migrar para outras cores. Fora que o azul também não é tão chocante, caso estranhasse demais no início.


SOBRE MEU CABELO E TRAUMAS CAPILARES


  Ter uns gostos um pouco ousados aqui e ali (e em alguns casos estranhos também) não significa que sou super confiante para executar tudo que acho cool. Naninão, amigos. Principalmente quando o assunto é cabelo. Enquanto algumas pessoas têm medo de dentista eu tenho um medo horroroso de ir em cabeleireiro, quem dirá radicalizar. Não sabia se temia mais fazer o procedimento em casa ou no salão. Felizmente acreditei e dei a chance de uma profissional fazer meu ombré azul, que me garantiu que poderia fazer a tintura e progressiva que tanto queria juntas sem problemas. Tirei minha última selfie com cabelo escuro ansiosa e fui na cara e na coragem (não coloquei a foto aqui para vocês não ficarem com dó da minha cara de desespero).


DESCOLORAÇÃO E A SURPRESA DE ME VER (PARCIALMENTE) LOIRA


  Nunca fiz nadica de nada com meu cabelo em relação a tintura e ele é naturalmente bem escuro, quase preto. Muitas pessoas já me perguntaram se eu pintava de preto, só para vocês terem uma pequena noção. O máximo que cheguei a fazer foi passar tonalizante avermelhado que acabou clareando um pouco meu cabelo. Mas nada comparado ao que eu estava prestes a fazer. Fica loira era uma das fases para chegar ao meu desejado cabelo de smurfette. Até que me vi loira e... choque! Felizmente foi uma experiência muito boa, mais do que eu imaginava até.

Sem filtro para ficar mais próximo da realidade. PS: ignorem esse tom loiro-gema e o corte zoado, quando a gente só descolore o cabelo e não matiza, fica desse jeito

   Neste processo descobri uma coisa interessante: não fico tão mal loira hein. Sempre achei que ficaria péssima porque não sou super branquela e sim uma morena clara. Mas até que gostei, estou até cogitando ficar uma época sem tinta fantasia. Depois de pintar de todas cores possíveis, é claro!
  O resultado após a tonalização foi um azul cobalto bem intenso e vibrante. Não era o tom que eu tinha em mente, mudei de ideia na hora mas amei demais o resultado!
  A Lina, que foi a cabeleireira que fez meus lindos cabelos, foi muito atenciosa do início ao fim. A descoloração não quebrou e nem danificou muito meu cabelo. Está levemente ressecado por ser um processo bem agressivo por si só, mas isso já é totalmente esperado. Resumindo: a experiência foi maravilhosa e estou muito feliz! Mudar radicalmente de vez em quando faz um bem danado! 


UPDATE: atualmente estou com o cabelo de outra cor, que ainda não considero rosa e sim vermelho hahaha :P Como ainda não cheguei ao meu tom rosa-chiclete tão desejado, preferi falar apenas sobre o azul para vocês. Assim que der tudo certo mostro e conto tudinho, caso tenham interesse no assunto também, é claro <3

  E ai pessoal, gostaram do post? Quem aí tem cabelo colorido ou simplesmente vontade de pintar? Tem alguma dúvida ou curiosidade específica? Deixe seus pitacos nos comentários para mim!  <3 





#eufui: Trocaderia

Oi pessoal, tchudo certo com vocês?

A pessoa que vos fala está vivíssima e cheia de alegria em fazer essa postagem que queria fazer há tempos sobre o Trocaderia! Porém o perfeccionismo do meu ascendente em virgem não me permitiu fazê-lo antes porque queria muito participar para fazer um textão bem completo, com meu parecer sobre esse projeto tão lindo pautado no consumo consciente, e é claro, com as peças que troquei <3


Choveu horrores no dia ): nem tirei selfie porque meu cabelo não colaborou hahaha 

  Para quem não conhece ou nunca ouviu falar, o Trocaderia é a grosso modo, um projeto paulistano que incentiva o consumo consciente através de troca de peças em bom estado que você não usa mais com outras pessoas na mesma situação. Além de impactar positivamente na redução do descarte de peças, tem tu-do a ver com economia colaborativa na moda, que expliquei tim tim por tim tim de uma forma bem didática como funciona e seus benefícios na atualidade nesse post aqui ó se você ainda não leu, volte 10 casas do tabuleiro.


Me perdoem pela falta de fotos decentes e não desistam de mim ): explico por que isso aconteceu um pouco mais para baixo


 COMO PARTICIPAR

   Para participar é preciso se cadastrar no link que eles disponibilizam com antecedência na fã-page com apenas o e-mail e nome completo. A quantidade de peças que você pode levar para trocar variam de acordo com o local, que também não é fixo. Mas relaxa, que eles sempre escolhem locais de fácil acesso para quem vai de metrô/ônibus. Dessa vez, eram no máximo dez peças por pessoa, contando com bolsas, sapatos e acessórios em geral. Ah! As roupas masculinas também entraram na brincadeira nessa edição.
  O Trocaderia também tem a preocupação de escolher locais que tenham provadores para você experimentar as peças, o que evita possíveis problemas de caimento ou simplesmente de numeração. Caso os participantes queiram levar algumas peças para doação eles também aceitam e se encarregam do resto. É preciso pagar na entrada simbólicos R$10 por pessoa para cobrir pequenos gastos do evento. As roupas que você não conseguir trocar poderão ser levadas de volta para sua casa, sem crise!


  COMO FUNCIONA NA PRÁTICA, DANI?


  Assim que você chega no local, fica na fila para cadastrar seu e-mail (caso não tenha feito antes), acertar o valor da entrada e informar o número de peças. Todas são devidamente etiquetadas com o seu nome e depois você já pode colocá-las no cabide, de preferência agrupadas, para começar a trocar loucamente! A dinâmica é bem simples: todo mundo vai olhando as roupas nas araras, quando der match em alguma você olha na etiqueta o nome da pessoa e pergunta quem é a ciclana. Fala com ela que gostou da peça x e pede para ela olhar as roupas que você trouxe. Se ela gostar de alguma fechô! Se não, geralmente ela pede para esperar um pouquinho para ver se tem chance de rolar uma troca tripla.
  Já olhou tudo, conseguiu trocar o que queria? O pessoal fazia uma pequena pausa para fazer check-in no Facebook, tirar umas fotos do local, conversar com um pessoal no WhatsApp e retomar a busca conforme outras pessoas vão chegando. Simples, gostoso e ao mesmo tempo bem diferente.


  MINHAS PERCEPÇÕES 


  Talvez eu possa me equivocar em algumas coisas porque foi a minha primeira participação do Trocaderia e fiquei pouco tempo (cheguei aproximadamente às 14h30 e saí às 15h30, sendo que o evento começou às 14h e ia até às 18h). O motivo é que eu que eu ainda precisava passar na Ikesaki da Liberdade para comprar tonalizante para os meus lindos cabelos azuis desbotados (aliás, vai ter post sobre isso também, viu?). Mas pelo o que percebi as peças mais visadas são aquelas mais autênticas, extravagantes ou que remetem/são uma releitura de tendências atuais. Achei isso bem bacana porque mostra que o pessoal curte roupas autênticas e ao mesmo tempo tem informação de moda. Confesso que fiquei bem em dúvida sobre quais tipos de peças levar (considerando também que tenho um monte para desapegar) por não saber que tipo de roupa era mais interessante para a galera que participa do evento.

  Acabei levando sete peças (por falta de espaço na mochila e disposição para carregar mais peso) e troquei três, que acreditei piamente que iriam voltar para casa comigo. Felizmente assim que cheguei elas já saíram! #aleluia


  Percebi que tinha muita gente acompanhada com namorado, mãe ou amigas. Isso é bem bacana porque acaba fazendo um volume e propiciando boas conversas entre o pessoal. O mais interessante é que os acompanhantes também participaram das trocas, não ficaram lá apenas sentados esperando. Sinal que todo mundo tem alguma coisa para desapegar, né?

nossa moça, faz um drink pra mim na faixa nunca te pedi nada

  O único ponto negativo que não poderia deixar de citar sem dúvidas foi a pouca iluminação no ambiente das trocas. Por isso que as fotos saíram péssimas! O Alberta #3, que foi o lugar onde aconteceu o Trocaderia, tem uma decoração muito bonita e aconchegante, que fiquei encantada logo de cara. Entretanto por funcionar no período noturno como balada, a iluminação amarelada e bem sutil atrapalhou um pouco na hora de conferir os detalhes das peças. Nada extremamente desagradável, apenas um pouco incômodo.


E aí pessoal, curtiram o post de hoje? Têm mais alguma curiosidade ou dúvida que não comentei? Deixem seus pitacos para mim, vamos prosear :P 





arte

Ilustradora da vez: Raissa Bulhões

Oi pessoal, tchudo certo com vocês?

  Hoje apresento a vocês mais uma ilustradora incrível que conheci através do Instagram faz um tempinho e simplesmente precisava mostrar para vocês! Ajeite-se bem na cadeira e vem conhecer as ilustras cheias de sutilezas dessa artista com uma trajetória incrível!

Ilustração Raissa Bulhões


 Raissa é designer, natalense, tem 23 anos, é casada, cantora (de chuveiro, como ela mesma se descreve :P) e sem dúvida alguma, muito boa com um lápis ou pincel na mão!
  Como grande parte dos ilustradores(as), essa paixão surgiu na infância. Seus olhinhos brilhavam quando via tinta guache e massinha de modelar na sua pequena mesa de plástico, mais até do que quando ganhava bonecas novas. Apesar de ter tido uma experiência de exploração com um senhor que vendia caricaturas em 2011, o aprendizado e paixão pela ilustração foi mais forte e continua até hoje. A moça é tão batalhadora que sua faculdade e casamento foram custeados pela sua arte (mais um tapa na cara da sociedade que tem preconceito com essa área). Os detalhes mais íntimos sobre a construção da sua carreira ela conta tintim por tintim aqui, no seu blog.

Ilustrações Raissa Bulhões

  Observando os trabalhos dela dá para perceber que alguns dos materiais de pintura favoritos dela são bisnagas de aquarela e potes de guache (ô saudades das aulas de educação artística, sô). O que ajuda a deixar suas ilustrações mais delicadas e lúdicas <3 Fora suas encomendas, ela também costuma desenhar cartoons, em forma de tirinhas e gravar speedy paintings das ilustras para seu seu blog pessoal, como esse aqui logo abaixo! (:




  Acredito que um dos motivos que tenha me chamado atenção para conferir e acompanhar os trabalhos da Raissa é a sensação de estar vendo ilustrações retiradas de um livro infantil. Minha criança interior que também adora desenhar (até hoje) encontrou isso nas suas ilustras. E nos seus cartoons, fatos cotidianos tão verdadeiros e simples de uma forma tão bem-humorada. Talvez o que sobressaia mais ainda é o amor que ela claramente coloca em cada um de seus trabalhos. Enfim, já me considero suspeita para falar dela <3

Ilustrações Raissa Bulhões
Imagens: instagram + fã-page da Raissa!

| Fã-page | Instagram | Blog |


E ai pessoal, gostaram do trabalho da Raissa Bulhões? Já conheciam ela? Deixem seus pitacos para mim nos comentários :D




fala dani

taking stock 05/

Oi pessoal, tchudo certo com vocês?

  Maio já chegou ao final faz um tempinho e ainda não tinha conseguido liberar o taking stock )': #chateada sendo que é uma dos tipos de post que mais gosto de escrever. Só por isso acho que deu para perceber o mês passado foi bem corrido né? Fiquei em dúvida se liberava ou não mas como o mês passado foi bem cheio e surpreendente resolvi compartilhar alguns acontecimentos. Vamo simbora nessa?


OUVINDO


  Hymn For The Weekend do Coldplay (com o feat. rapidinho da Beyoncé) que foi lançada faz um tempinho mas não sei porque só agora virou um vício! Me peguei colocando a música no Youtube várias vezes no replay e assistindo o clipe várias vezes (que também é lindíssimo, super recomendo)!





AGRADECENDO


  Pela oportunidade de estágio super bacana que consegui nesse mês. Confesso que já estava começando a ficar meia paranoica/desesperada mas finalmente consegui achar e era exatamente o que eu queria! Já estou ansiosa para retomar a vida de moça trabalhadora <3 Ah! também agradeço por sobreviver ao trabalho interdisciplinar desse semestre, ufa! :P Pela primeira vez na vida eu madruguei para entregar algo na faculdade (para ser mais precisa até 3h da manhã).


DESEJANDO


  Todas as peças do @ineedbrecho! A @stwendy, que é dona do brechó, estuda na mesma faculdade que eu e é uma fofa! Fui lá na loja física recentemente e comprei uma blusinha de gola alta ba-pho bem baratinho! A única coisa chata é que as peças saem MUITO rápido, então tem que ativar as notificações de publicação se não já era tudo! hahaha :P  Para quem curte peças de segunda mão e é de São Paulo precisa conhecer! Mas quem não é daqui de sampa a notícia é boa: elas entregam para todo o Brasil pelos correios <3
Rua Augusta, 2.220 - Galeria América/ Loja 22 (prox. ao metrô Consolação)

NECESSITANDO


  Adiantar e organizar o máximo de coisas possíveis antes de começar a estagiar para valer. A boa notícia é que o blog está nessa programação também! Estou aqui no batente por trás da telinha preparando vários posts bacanas para que o nosso Garimpô seja atualizado com mais frequência, a pedido também de algumas leitoras lindas que responderam a pesquisa de público do blog aquiEstou me programando para lançar post novo 2x por semana.

SENTINDO


Muito feliz! Faz tempo que não sinto assim, ultimamente sorrio por coisas muito bobas. Estava com saudade desse estado de espírito.

Oia só que moça sorridente! :P


ASSISTINDO


  Game Of Thrones todo domingo, religiosamente! Mas fora essa minha obsessão, também tenho assistido alguns filmes diversos na TNT e Warner.


AMANDO

  Meu feed do Instagram de novo e as interações que recebo por lá! Quem me acompanha pelo @callmedaniela provavelmente deve ter percebido a minha evolução fotográfica de uns tempos para cá! Como tem uma parcela considerável do blog que gosta do assunto, minha ideia é dar dicas para os iniciantes, que assim como eu, só têm a câmera do celular #aguardem



  E ai pessoal, o que vocês aprontaram no mês passado? Deixem seus pitacos para mim! Vamos prosear :P






Como usar

4 lições de estilo (valiosas) da Alexa Chung

Oi pessoal, tchudo certo com vocês?

  Saudades dos posts sobre moda? Cheguei chegando eita pleonasmo para botar o assunto em dia! Dessa vez de uma forma um pouquinho diferente, com uma celebridade que não é tããão conhecida por muito mas admiro muito. Sim, estou falando da Alexa Chung!


Alexa Chung estilo


 Ela nasceu em Hampshire, na Inglaterra e foi descoberta como modelo aos 16 aninhos. Na época foi contratada pela agência Storm Model Menagement e a partir daí sua carreira começou a decolar loucamente. Começou sua carreira de apresentadora até finalmente conseguir o cargo de editora de moda da Vogue britânica, na qual trabalha até hoje!

  O estilo ela tem uma pegada hi-lo bem forte, que é a mistura de peças baratas com de grifes (adoro!) e um pezinho lá nos estilos vintageboyfriend com um leve toque rocker. Só por aí já dá para perceber que a mana não é super encanada em se vestir de acordo com tendências né? Muito pelo contrário, ela tem estilo e personalidade para dar e vender! Não é a toa que ela foi a minha escolhida para tema de hoje foi ela. Agora vem ver o que o estilo dessa #girlboss bem eclética pode nos ensinar!


01. TER UM ALL STAR É ESSENCIAL

Alexa Chung All star


Existe calçado mais democrático que all star minha gente? Fica lindo em diversos tipos de looks, do mais informal ou até o mais socialzinho para quebrar um pouco a seriedade. Ela adora e usa de diversas formas. Super democrático! <3


02. GOLA TUDO, PERNAS NADA!

Alexa Chung mini comprimento

  Alexa usa a "regrinha" de tudo em cima, nada em baixo. Geralmente ela usa camisas totalmente abotoadas com saias ou shorts bem curtinhos, mostrando as pernocas que muitas vezes acompanham uma meia-calça também. Parece um truque bem bobinho mas é super válido para usar no trabalho, por exemplo (desde que role uma certa flexibilidade no dress code da sua empresa, é claro!). Ah! Apesar de ser uma convenção, nada te impede de quebrá-la de vez em quando, ok?


03. MOCASSIM COMBINA COM (QUASE) TUDO!

Alexa Chung de Mocassim

Os mocassins tem aquela pegada vintage que a Alexa adora e rende looks sofisticados na medida certa. Eles se adaptam bem tanto às produções mais formais quanto às mais casuais. O bacana é que tem várias opções de modelos coloridos, estampados ou bordados. Resumindo: dá para adaptar a todos os gostos e estilos!


04. "ACORDAR MEIA NORMCORE" FAZ PARTE DO DIA-A-DIA

Alexa Chung look Normcore
Imagens: google + pinterest
Acordou com aquela preguicinha básica de se produzir? Super normal. Até a editora da Vogue britânica tem esses dias, né pessoal :P hahaha É só vestir-se da cabeça aos pés de preto ou colocar uma blusinha de cor neutra, jeans, o calçado mais confortável que tiver e voilà! (:

  E ai pessoal, gostaram do post? Já conheciam a Alexa Chung? Gostaram do estilo dela? Vamos prosear pelos comentários!




Instagram